Reunião Geral na Congregação de Sapopemba

Nossa reunião teve início através da oração realizada pela nossa irmã Cláudia Munhoz da cidade de Guarulhos-SP. Posteriormente foram convidados os irmãos ministrantes das primeiras reuniões, sendo elas: Ceifa Espiritual – irmão Gilmar (Suzano-SP), Caridade Sofredora – nossos irmãos Caíque e Tamires (Carapicuíba-SP) para relatarem sobre o progresso dos irmãos e irmãs após as reuniões sobre as Três Comunicações.

Promessa do Consolador

Promessa no tempo antigo – Jesus é o primeiro Consolador; ref.(cap. 14 de São João vers. 16).

Sendo Jesus o filho de Deus, herdeiro da posse da Redenção, foi enviado a Terra para cumprir sua missão, Jesus é o primeiro Consolador pois, sendo transformado em estrutura humana para habitar entre o povo, curava, ressuscitava os mortos, fazia grandes maravilhas entre a humanidade e muitos se admiravam, esta era uma forma de consolar os aflitos e necessitados de misericórdia.

Jesus Cristo é considerado o primeiro Consolador pela permanência ao lado dos que o seguiam e pela promessa que fez aos seus discípulos dizendo que pediria ao Pai para enviar outro Consolador, mas o Consolador, ou o Espírito Santo do Senhor esteve ao lado do homem desde os primórdios, vejamos:

Deus é tão bondoso que sempre se comunicou com o homem através dos anjos ou diretamente como no caso de Moisés por sua grande fé; Ver em Êxodo cap. 3 vers. 2.

E ainda há muitos outros exemplos desta comunicação entre Deus e o homem através dos anjos, mas queremos trazer em pauta o Tema Promessa do Consolador no nosso dia a dia, nosso culto racional e como se dá essa manifestação;

Promessa do Consolador nos tempos de hoje:

O Espírito da Verdade habita conosco; ref. (cap. 14 de São João vers. 17).
A manifestação do Espírito Santo nas igrejas (nós, nosso pensamento) se dá a partir de nossa conduta dentro e fora da igreja, devemos agir com prudência, temor e sabedoria;

A missão do Consolador é confortar, trazer paz e boas novas.

Temos total liberdade para recebermos o Consolador, da mesma forma que o Consolador é livre pelo poder de Deus, para manifestar na igreja designada por Deus, devemos explorar essa liberdade que temos em Cristo a partir de nossa fé, com sabedoria discernir e provar se realmente o que vamos receber é vindo de Deus.

Tudo isso é uma preparação para recebermos o Consolador;

Jesus pede para que os discípulos não turbem os corações porque, como está escrito em São João capítulo 14 versículos 26 e 27. (ver). Assim também acontece em nossos dias:

Nós também não devemos turbar os nossos corações, pois já vimos muitas manifestações de Consoladores outrora pessoas de nosso convívio, que traz em nossa memória a promessa de Cristo em suas manifestações sejam em cânticos espirituais ou em palavras consoladoras.
No capítulo 13 de São João versículo 33, Jesus diz que por um pouco habitaria com os discípulos, mas para onde ele iria, eles não poderiam ir naquele momento, por isso quando o Consolador manifesta nas igrejas eles nos fazem lembrar tudo quanto Cristo disse em sua promessa.

Capítulo 15 de São João versículo 2 – Fomos chamados para uma Doutrina pura, reta e perfeita, por Cristo fomos alistados para trabalhar com as três comunicações, prestar frutos para o Senhor Jesus. Ler em 15 de São João vers. 4, 5, e 26. Jesus nos exorta a estarmos ligados nele.

E nós temos a comprovação nas escrituras que Cristo cumpre entre nós a sua Promessa até os dias atuais e sempre estará conosco. Cap.16 de São João vers. 7 – vers.12,13 e 14.

Mensagem de Cântico – Vânia Leão:
Quando a matéria ela não tinha mais vida
Deixei da carne subi fui pra Redenção
Meu sofrimento ele chegou a seu fim
Eu fui morar no Jardim
Junto com o Pai da benção
Subi pra o céu em forma de um relâmpago
Segurando a mão de um anjo
Para o colo de Abraão.

-3-

No capítulo 16 de São João vers. 20, 22, 25 e 28 relata sobre a transição de homem vivente, sejam eles irmãos na fé de nosso conhecimento ou não, em Anjos Consoladores.

Foram feitas as seguintes perguntas nesta Reunião sobre Promessa do Consolador:

1 – “Os que não são batizados, eles podem ou não receber o Consolador?” “Se podem ter dons mesmo não sendo batizados.” (autor desconhecido).
Chegou-se a seguinte conclusão: Assim como está escrito no capítulo 2 de Joel versículo 28,
Acontecerá depois que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos anciãos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões; portanto o batismo é um símbolo espiritual de grande importância, porém o Espírito Santo manifesta sobre todas as pessoas não necessariamente batizadas, mas convertidas e tementes a Deus. Deve-se tomar cuidado e não esperar por muito tempo para pedir o batismo no caso daqueles que já recebem o Consolador. E de um modo geral para os que estão observando e não recebem a promessa, da mesma forma, se estão convictos do que escolheram para sua vida espiritual devem permanecer na sua fé e aguardar o momento certo para se batizar sempre com o cuidado no tempo. Para resumir no cap. 2 de Joel versículo 32 diz assim:
E há de ser que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo; pois no monte Sião e em Jerusalém estarão os que escaparem, como disse o Senhor, e entre os sobreviventes àqueles que o Senhor chamar.

2 – O irmão Lucas de Miguel foi convidado para falar um pouco sobre o Dom de receber cânticos espirituais, ele citou uma passagem que aconteceu com um jovem quando estavam entre amigos numa viajem, eles estavam cantando hinos cultivados e perceberam que num dado momento este Jovem cantou um hino novo, então observaram que ele cantou com o anjo. O irmão Lucas de Miguel disse que é uma sensação única cantar com os anjos, se sente leve e como se estivesse no céu.
Perguntas aos ministros da palavra de Deus – Pregadores:

1 – Como explicar um irmão ancião, pregador na palavra de Deus, já foi ministro de reunião, apascentador, mas não receber o Consolador? Esse irmão não trabalha porque não quer? Ou porque não recebeu o Dom? (Autor desconhecido).

2 – Pode ser recebido hino de quem não foi batizado? Exemplo: Pessoas da mídia, etc…
(Autor desconhecido).

3 – Foi recebido um hino de um determinado irmão em algumas “igrejas” (pessoas que têm o Dom).
Porém alguns irmãos não acreditam que este irmão tenha ganhado a salvação, devido as suas obras no mundo. Neste caso, estão blasfemando do Espírito Santo? Colocando em dúvida o Dom do irmão que recebeu? Colocando em dúvida a salvação do irmão? Gostaria de uma explicação neste caso.
(Autor desconhecido).

4 – O Espírito da Divina trindade – O Pai, o Filho e o Espírito Santo – Pode manifestar na promessa?
(Autor desconhecido).

5 – É correto receber hinos com mais de um nome de Consolador? (Autor desconhecido).

6 – É permitido a mesma igreja levantar na promessa mais de uma vez em um culto?
(Autor desconhecido).

7 – Porque tem irmãos que recebem o Consolador com poucas palavras, e outros que o Consolador chega a 10 minutos fazendo uma pregação, isso toda a vez, por quê? Qual a diferença entre as duas maneiras de manifestação? (Autor desconhecido).
Foram feitas algumas considerações finais a respeito do tema da reunião, e partimos para o encerramento com a oração realizada por mim Roberto Macedo, após a oração foi entoado o cântico Antônio Donato Dias.

Segue referências bíblicas utilizadas para o desenvolvimento da Reunião:
Cap. 13 de São João vers. 33.
Cap. 14 de São João vers. 16, 17, 26 e 28.
Cap. 15 de São João vers. 2, 4, 5 e 26.
Cap. 16 de São João vers. 7, 12, 13, 14, 20, 22, 25 e 28.

A grande paz de Deus da parte de Deus Pai, o Amor de Jesus Cristo e a comunhão do Espírito Santo, reina, cresça, brilha e permaneça com todos os irmãos e irmãs da Sã Doutrina Espiritual Do Sétimo Dia.